O VALLE SONDONDO

O Valle Sondondo é um lindo lugar localizado no sul da Região Ayacucho. O acesso é feito por um dos desvios da estrada Interoceânica no trecho entre Nazca e Cusco. A primeira parte do Valle pertence à Província de Lucanas. O rio Sondondo nasce no rio Negro Mayo, em seguida junta-se ao rio Chicha Soras e, finalmente, desemboca no rio Pampas.

Nesse vale, o visitante terá muito para apreciar. O sítio arqueológico de Caniche, o qual está localizado dentro do povoado de Andamarca, foi declarado Patrimônio Cultural da Nação, pois foi construído pelo povo Rukana e mais tarde ocupado pelos Wari e Incas. Rukana é uma das culturas locais que formaram parte da Nação Chanca, a rival mais importante dos Incas antes da chegada dos espanhóis. A Cultura Wari controlou o maior Império da América do sul antes dos Incas. Seu Império durou desde o século VIII d.c. até o século XIII d.c. e em seu apogeu extendeu-se desde Lambayeque, ao norte do país, até Arequipa, ao sul, incluindo partes da selva de Cusco. A capital desse Império foi Huari, perto de Ayacucho. Já os Incas controlaram um Império ainda maior, desde aproximadamente cem anos antes da invasão espanhola. Sua capital era Cusco, mas sua influência extendeu-se, ao norte, até partes dos atuais territórios do Equador e Colômbia, e, ao sul, até o Chile, Argentina e Bolívia.

A danza de tijeras, a dança tradicional do Valle foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO por sua antiguidade e valor simbólico.

Outro dado de extrema importância cultural consiste no fato de que as populações locais mantiveram seus sistemas de andenerías em perfeito estado desde a época Wari. Os andenes consistem em terrazas agrícolas, uma espécie de plataforma, as quais são acompanhadas de canais de irrigação. As civilizações pre-hispânicas construíram quase um milhão de hectáres dessas estruturas em todo Peru. Os andenes possuem diversas vantagens, como o uso eficiente da água, o controle da erosão do solo, proteção contra geadas e, consequentemente, oferecem um maior rendimento na produção. Os agricultores seguem utilizando os andenes hoje em dia, preservando costumes tradicionais essenciais para sua manutenção. O manejo da água para irrigação possui uma organização notável ainda hoje, sendo que a maior expressão ritual da importância da água é a famosa celebração anual realizada no distrito de Carmen Salcedo, no mês de agosto, conhecida como Festa da Água ou Yaku Raymi, nome em quechua. Festas similares são organizadas também em outros distritos da região, como por exemplo em Cabana Sur, Aucará e Chipao entre os meses de setembro e outubro.

Há uma população de condores muito grande no distrito de Chipao, bem próximo do vilarejo de Mayobamba. Nesse local, bandos de condores podem ser vistos voando todas as manhãs entre às 7 e 9 horas.

No mesmo distrito de Chipao há um grande bosque de Puya de Raimondi. Essas impressionantes plantas são muito raras, crescendo apenas nos Andes do Peru e da Bolívia e, ainda assim, não são encontradas nessa região facilmente. Essa espécie vive ao redor de cem anos antes de produzir um talo enorme que floresce uma só vez antes que a planta morra. A Puya de Raimondi está incluída na Lista Vermelha de Plantas em perigo de extinção divulgada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

O vulcão Ccarahuasu é o Apu mais importante da região de Ayacucho, Apurímac e Huancavelica, sendo visível de vários pontos do Valle Sondondo. Com mais de 5.200m é uma fonte de água importante para ambos os vales – Sondondo e Chicha Soras.

O Valle Sondondo também foi sede de episódios históricos. Ainda não há comprovação, porém, há uma probabilidade de que o Inca Huáscar tenha sido assassinado em Andamarca depois de perder uma batalha em 1532 contra seu irmão Atahualpa, o último Inca antes da conquista espanhola. Assim, os restos de Huáscar teriam sido jogados no rio Negromayo ou Yanamayo, palavra quechua que significa rio (mayo) negro (yana). Todo mês de agosto é realizada uma encenação da morte de Huáscar em Andamarca.

O famoso cronista Felipe Guamán Poma de Ayala nasceu no pequeno vilarejo de Sondondo – distrito de Cabana Sur – pouco depois da conquista espanhola. Lá o cronista viveu durante vários anos, sendo possível ver ainda hoje as ruínas da casa em que morou na infância.